Recentes estudos na comunicação de países europeus (2018)  demonstram o uso do Marketing Cultural como ferramenta complementar, mas essencial, na venda de produtos e serviços

Isso devido ao cansaço das mídias tradicionais,  já comprovado, por inúmeras  pesquisas de tendências de mercado.

Ha uma saturação e natural resistência por parte dos consumidores  na qualificação direta desses produtos e serviços usadas na propaganda tradicional, inclusive a digital.

Encontrar novos caminhos para se chegar aos consumidores de forma lúdica, atingindo o lado sensorial é o grande desafio de todos. Daí o crescimento da utilização da cultura como ação mercadológica.

Já foi atestado que nada muda mais a forma de pensar de um consumidor do que uma ação cultural.

Não é a toa que o merchandising, a ação de venda dentro do contexto de uma obra,  cresce a cada dia em nossas TVs em detrimento dos anúncios de intervalo.

As redes sociais possuem as ferramentas ideais para o Marketing Cultural.

Vídeos, Infográficos, Artes,Vídeo-gráficos, Textos, Fotos, Musicas, compõem a pauta para essas ações.

Em 2020, isto é, daqui a alguns meses,  todos os estudos das redes sociais apontam o vídeo como ferramenta de 80% de toda comunicação.

Se você conseguir colocar arte, cultura, emoção nesses vídeos, você terá atingindo o seu objetivo!

Definindo o Marketing Cultural ( Wikipedia) :

Marketing cultural” é o conjunto de ações de marketing (estratégias) em que se utiliza a Cultura (conjunto de padrões de comportamento, crenças, conhecimentos, costumes etc. que distinguem um grupo social) para divulgar, projetar e/ou fixar a imagem, nome ou produto de uma organização, projeto ou marca.

É aplicado por meio de estratégias de comunicação empresarial e governamental a um povo ou população por se associar a expressões e manifestações artísticas. Fomentar projetos culturais permite a troca de interesses: de um lado, o reconhecimento e do outro, a satisfação pessoal, de um grupo, de uma classe etc.

Utilizar essas ações podem ser benéficas ao terem um retorno financeiro apoiada nas Leis de Incentivo Fiscal além da contribuição do reforço cultural para a sociedade.

“O Marketing Cultural surgiu em 1966, quando Rockfeller, em seu discurso ‘Cultura e Corporações’, afirmou que, quando uma empresa investe em cultura, ela esta beneficiando a si mesma”

No Brasil, o marketing cultural teve início na década de 90 e desde então vem ganhando cada vez mais força, pois apresenta soluções relativamente baratas e ainda consegue atingir exigências de mercado como a diferenciação da marca, diferenciação do mix de comunicação para seu público e a inserção na sociedade como uma empresa responsável socialmente.

Segundo Candido Jose Mendes o Marketing Cultural é um mecanismo muito recente, talvez até mais que o marketing esportivo e ecológico. Segundo Roberto Muylaert  o “Marketing Cultural é o conjunto de ações de marketing utilizadas no desenvolvimento de um projeto cultural”. Por isso o marketing cultural é uma ferramenta de comunicação seguras para que a empresa associada ao evento tenha reforço na imagem desejada.

Para Costa (2004) o marketing cultural pode ser entendido como o patrocínio de atividades culturais por empresas cujo produto ou serviço último não é um produto cultural. O marketing cultural é um braço do marketing social, leccionado em escolas de relações públicas e em cursos de Marketing.

(wikipedia) Definição de Marketing Cultural